Um bidé

Hoje estiveram trinta e dois graus em Sydney e o Mundo é um bidé. Um pequenito bidé. É impressionante como é pequeno, sendo estranhamente grande ao mesmo tempo.

Estou na minha varanda a ouvir música, e começo a pensar, há uma série de lugares, de países e de culturas, mas na verdade eles não são assim tão diferentes e distantes. As pessoas – e os aviões, verdade seja dita – têm uma habilidade especial para ficar mais perto, para ser mais perto.

No Domingo tivemos um almoço cá em casa com a mãe da Pauli, uma das nossas amigas argentinas. Veio visitar-nos porque no Sábado foram os anos dela, e como o seu namorado é piloto, conseguiram voar até cá facilmente. Convidámo-los porque achámos que seria simpático, mas principalmente porque precisávamos urgentemente de um pretexto para limpar a nossa casa que tinha acabado de ultrapassar recordes de sujidade e nojo.

Hoje é terça feira e a casa já está como antes, mas pelo menos esteve apresentável durante o almoço, que correu optimamente. Foi engraçado porque a Sandy não falava inglês, o que obviamente não abonava a favor do Paul, mas mesmo assim não impediu nada, porque o Nélio dava uns toques. Eram muito simpáticos, muito jovens e descontraídos, e imediatamente nos trataram como se fôssemos sobrinhos de verdade, Fran, me pasas el queso, hijo mio.

Contaram histórias engraçadas de Buenos Aires e de outras viagens, histórias do Mundo que sempre interessam e fazem rir, sempre num ambiente familiar de que já todos tínhamos saudades. Trouxeram muitos presentes, e contaram como os pais dos restantes argentinos tinham saudades indescritíveis mas orgulhosas. Estavam todos recontentos por estarmos a viver esta experiência, e por vivermos nesta casa e neste grupo “onde se vê que somos todos unidos”. Quase como irmãos. Uma família. No último livro que li, aprendi que as famílias são o que se quiser, e parece que nós assim quisemos. Esta é a nossa família aqui Down Under.

Mas é claro que temos cada um a sua outra família, a do sangue e do território, que por agora não está, mas de que temos saudades. Foi por isso que vimos todos o vídeo que a família do Diego lhe mandou, com muita nostalgia, mas ao mesmo tempo com muita graça e zomba.

O que mais me surpreendeu, mais do que tudo, é que apesar dos lugares e das pessoas, há coisas que são sempre iguais, como as famílias. Como os irmãos e os pais. E os avós e os tios. Acho que deve ser por isso que o Mundo é na verdade um bidé, um alguidar apertado onde vivemos a achar que estamos longe e somos diferentes, quando em boa verdade somos parecidos, somos iguais. Essa é para mim uma das maiores lições desta viagem.

Esta minha teoria foi novamente comprovada ontem, quando recebi uma mensagem de um amigo dos meus pais, dizendo-me que estava cá em Sydney e gostava de ir jantar comigo. Um bidé! Mesmo aqui a vinte mil quilómetros, longe da Lusitânia, encontro um amigo dos meus pais. Impressionante como as pessoas se movimentam e se ligam!

Fui então jantar com o Tio João Alvelos, em Sydney, nesta parte do bidé. Depois de alguns percalços e de restaurantes que fechavam cedíssimo, lá encontrámos um chinês simpático para conversarmos.

Em ambiente animado, e entre garfadas de arroz frito com pauzinhos, falámos sobre a cidade e o país, e concordámos que realmente é uma excelente oportunidade estar aqui e ter esta chance para aprender estas lições noutros lugares e com outras pessoas. Falámos de como era antes e de como as coisas mudam, mas ao mesmo tempo não mudam, porque tal como as famílias, os pais serão sempre pais, e os filhos serão sempre filhos.  Falámos de como eles são importantes para nós, e de como podemos fazer coisas boas com eles e por eles.

Foi um jantar muito agradável de que, como disse o Tio,  falaremos durante largos anos, e lembraremos como “aquele jantar lá no fim do Mundo”.

Todos estes eventos me ajudam a pensar que vivemos mesmo num bidé, porque podemos encontrar-nos em qualquer parte, em qualquer circunstância, pessoas de todas as origens, e ainda assim ligar e encontrar pequenos detalhes que são iguais, e que por isso não são assim tão pequenos – são talvez os maiores.

Gosto de estar nesta parte do bidé por enquanto, e acho que estou a fazê-lo da melhor forma possível. Claro que tenho saudades da família e dos amigos, mas ajuda saber que têm tanto orgulho nesta jornada, e ajuda ainda mais saber que estão lá, e que me dão a oportunidade de fazer isto e viver isto.

Às vezes não sei bem como agradecer, mas na verdade até é simples.

É aproveitar.

Anúncios

13 thoughts on “Um bidé

    • Eheh, é verdade, isso teria sido à grande!
      Mas o bidé não é assim tão largo, de certeza que haverá outras oportunidades!
      Beijinhos

  1. Só de ti é que podia sair essa do BIDÉ eu chamo-lhe T-0 mas está muito bem visto ,mas que inveja no bom sentido ,que eu tive desse Tio e que sorte que ele teve de poder , no outro lado do mundo ,ir jantar com um “sobrinho” tão porreiro.Bom deste lado do BIDÉ estamos todos a morrer de saudades tuas mas também a sentir que estás a gozar e a tirar partido de tudo .
    Muuuuuuuuuitos beijinhos

  2. Kiko adorei essa tua descrição do “BIDÉ”!!!
    Achei fantástico, como consegues transmitir o que te vai na alma, pois quem lê, fica com a sensação que estás FELIZ e realizado com essa tua aventura; crescendo com todas as experiências que te vão aparecendo ao longo desse teu caminho!!!
    Que sorte que teve esse teu tio ao ter gosado esse jantar contigo!!!!
    Um beijinho deste lado do “BIDÉ” para o meu sobrinho que se está a tornar num grrrande homem!!!

  3. Olá querido sobrinho. Mais uma vez parabéns pelo post, muito bem escrito e descrito. Mas tenho que te dizer …não gosto desta analogia que fazes, entre mundo e bidé : Ná…. a palavra bidé não me é nada sugestiva! Não poderia ser antes banheira?! Eu sei é um pouco maior…mas sugere imagens mais bonitas…do que bidé :). Beijinhos e keep going!

    • Eheh, Tia, tem muita razão! Não é muito sugestiva! É só a usei porque alguém me disse isso um dia e achei graça hehe
      Mas realmente podia ter feito antes que o Mundo é uma caçarola, ou assim!
      Beijinhos e obg por ler!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s